Celebrando Iemanjá, Lienne se junta a Elisa Fernandes em faixa “Barco de Fita”

Para celebrar o dia 2 de Fevereiro, onde se comemora o dia de Iemanjá, uma das divindades afro-brasileiras mais populares, as cantoras Lienne e Elisa Fernandes lançam uma parceria saudando a Rainha do Mar. A faixa “Barco de Fita” é o primeiro lançamento do álbum “Guanabara São Francisco”, o segundo de Lienne, que chega ainda esse ano e tem direção musical e cinco arranjos da artista.

Ouça aqui: https://ada.lnk.to/barcodefita

“Essa música para mim é um sonho realizado, por vários motivos. Recebi do meu parceiro Rodolpho Dutra um refrão que pede bênção, mas que já nasceu abençoado pela mãe Iemanjá. É uma música que fala do sofrimento do povo, simbolizado pelo pescador. Ela é um canto, um grito por um mundo melhor, em que se possa sonhar, viver e trabalhar com dignidade. Acredito tanto nessas coisas que às vezes isso vira música. Também é um sonho ver um arranjo meu gravado. É uma sensação de crescimento e independência que indica os caminhos que quero trilhar e lógico: fazer um feat com Elisa Fernandes é ver chegando aquele pedido que você jogou ao mar… Odoyá!”, revela Lienne.

A música foi composta por Lienne ao lado de Rodolpho Dutra e traduz o lamento de um pescador que chora por sua vila e por seu povo. O refrão deste ijexá é um pedido para que Iemanjá abençoe o pescador e sua gente, na luta pelo pão e também por uma vida melhor. Assim como o mar, a canção pode parecer serena e contemplativa à primeira vista, mas traz debaixo da superfície — a nível de letra e de arranjo — fortes correntezas e muitos outros perigos. Assim são, também, os filhos da mãe sereia.

“Eu já acompanho o trabalho da Lienne faz tempo e super me identifico. Acho bonita a forma como ela coloca sua arte a serviço da cultura popular. Barco de Fita é um presente que eu ganhei logo neste início do ano. Tô bem feliz com o convite e tenho certeza que, assim como aconteceu desde a primeira vez que ouvi, as pessoas também vão se identificar com a música. Tá linda!”, conta Elisa.

Letra:
Odoya, mãe do mar, sua benção pra eu entrar no seu mar
Odoya, mãe do mar, sua benção pra eu voltar
Preu voltar

Odoya, mãe do mar, sua benção pra eu entrar no seu mar
Odoya, mãe do mar, sua benção pra eu voltar
Preu voltar

Eu chorei
Toda água do oceano
Cada vez que eu me despedi de um sonho meu
Era eu
Ai meu deus,
Era eu e meu mano
Quanto desengano remando
Nós ofereceu

Vai, desilusão
Vai, chora a dor do mundo
Vai, meu barco de fita
Leva as velas, espelhos e a luz
Pro fundo do mar

Cada onda que quebra na praia
Celebra um pedido de paz
Se é meu barco que sai, madrugada
Deixo a velha esperança no cais

Odoya, mãe do mar, sua benção pra eu entrar no seu mar
Odoya, mãe do mar, sua benção pra eu voltar
Preu voltar

Odoya, mãe do mar, sua benção pra eu entrar no seu mar
Odoya, mãe do mar, sua benção pra eu voltar
Preu voltar

Eu chorei
Toda água do oceano
Cada vez que eu me despedi de um sonho meu
Era eu
Ai meu deus,
Era eu e meu mano
Quanto desengano remando
Nós ofereceu

Vai, desilusão
Vai, chora a dor do mundo
Vai, meu barco de fita
Leva as velas, espelhos e a luz
Pro fundo do mar

Cada onda que quebra na praia
Celebra um pedido de paz
Se é meu barco que sai, madrugada
Deixo a velha esperança no cais

Odoya, mãe do mar, sua benção pra eu entrar no seu mar
Odoya, mãe do mar, sua benção pra eu voltar
Preu voltar

Odoya, mãe do mar, sua benção pra eu entrar no seu mar
Odoya, mãe do mar, sua benção pra eu voltar
Preu voltar

Odoya, mãe do mar, sua benção pra eu entrar no seu mar
Odoya, mãe do mar, sua benção pra eu voltar
Preu voltar

Odoya, mãe do mar, sua benção pra eu entrar no seu mar
Odoya, mãe do mar, sua benção pra eu voltar
Preu voltar